Os riscos do fumo para a saúde do corpo e da alma

O cigarro mata quase seis milhões de pessoas por ano — entre fumantes ativos e os que são expostos à fumaça. Saiba como não fazer parte desta estatística.

Karine Salles

30/05/2017 às 23h02 - terça-feira | Atualizado em 02/06/2017 às 08h52

shutterstock.com

Abandonar o uso do tabaco não é uma tarefa fácil, pois a dependência do fumo é um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos. Estudos confirmam que poucos usuários conseguem com sucesso em sua primeira tentativa, porém não é motivo para desistir. A perseverança é uma forte aliada para enfrentar esse desafio com lucidez e clareza e alcançar o objetivo de largar o cigarro.

A epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou. Segundo a OMS, o consumo do tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos os anos e custa aos lares e aos governos mais de US $ 1,4 trilhão, em razão de despesas com saúde e da perda de produtividade.

Quando comparado a alguém que não fuma, informa o Instituto Nacional do Câncer, o fumante tem risco dez vezes maior de desenvolver câncer de pulmão e cinco vezes mais chances de sofrer um infarto. Alguém quer correr esse risco? Portanto, parar de fumar é a única opção saudável para proteger a própria vida e a de pessoas próximas.

Além de ser completamente descartável, o cigarro prejudica a saúde, a beleza, o convívio social e ainda diminui a qualidade de vida. "Os fumantes passivos podem ter processos alérgicos, rinite, espirros. E se estiver uma disposição durante alguns anos, mesmo em casa ou no trabalho, as pessoas têm uma chance maior de terem câncer no pulmão, câncer paranasais, derrame cerebral, hipertensão arterial, infarto e até enfisema pulmonar", explicou o pneumologista Ricardo Meirelles, da Divisão de Controle do Tabagismo, do Instituto Nacional do Câncer (Inca), ao Portal Boa Vontade.

Além de todos esses malefícios ao corpo, fumar traz diversos prejuízos para a alma. Afinal, "estamos corpo, mas somos Espírito", como ensina o presidente-pregador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, José de Paiva Netto. A Religião Divina esclarece que as situações e atitudes do cotidiano repercutem em nossa trajetória espiritual eterna. As escolhas do presente geram não apenas resultados imediatos, mas consideráveis efeitos no futuro próximo, que também inclui a existência após o fenômeno chamado "morte", porque "existe Vida no Mundo Espiritual", afirma o líder da Religião do Amor Universal.

Portanto, o consumo do álcool ou outras drogas (lícitas ou ilícitas) provoca graves sequelas ao Espírito daqueles que o fazem. E comprometer a saúde física, em virtude dos maus hábitos cultivados, comprometendo a duração e a qualidade de vida de forma deliberada, é forma de suicídio e contribui para a infelicidade do Espírito por longo tempo, no Mundo Espiritual

Tabagismo é uma doença, uma dependência química, mas tem cura. Para um tratamento bem-sucedido, é necessário que esse fumante fique atento às situações que o faz fumar. "Para que ele consiga viver sem cigarro, ele deve aprender a passar por todas as situações do dia a dia, principalmente do estresse, sem fumar", ressaltou o dr. Ricardo Meirelles. O tratamento medicamentoso vem a facilitar para que a pessoa consiga deixar de fumar com qualidade, sem sofrimento e possa viver sem cigarro a vida toda.

Mas até quando se tornar escravo do vício? Sobre os resultados favoráveis de dizer NÃO a ele, o pneumologista Alberto Araújo declara: "a pessoa terá a satisfação de haver recuperado a direção de uma parte da sua vida que até agora dependia do tabaco. Trocando em miúdos: a pessoa passará a assumir o controle de sua vida, antes dominado a cada tarefa que fazia pela presença do cigarro, antes, durante ou depois". Os benefícios obtidos ao parar de fumar incluem aumento da qualidade de vida, melhora do paladar e do olfato, economia de dinheiro, respiração mais livre e fácil, além do odor mais agradável no corpo.

"Todo dia é dia de renovar nosso destino"


Com esta afirmativa do jornalista Paiva Netto, a história da dona Clési Bastos, da cidade de Glorinha, RS, teve um final feliz. Em entrevista, ela destacou que por meio da Religião do Terceiro Milênio encontrou forças para vencer o vício depois de 30 anos. "Com o tempo passando, o corpo já não é mais o mesmo e é aí que a gente vê os malefícios que o cigarro faz. Por exemplo: atividade física [não fazia] nenhuma, porque tu já estás sem ar, a pele envelhece, tá sempre mal cheirosa".

E foi graças a Fé Realizante aliada à perseverança que a sra. Clési encontrou uma nova oportunidade. "Quando eu decidi que minha casa se tornaria uma Igreja Familiar decidi que tinha que ser o exemplo. Cuidar bem do meu corpo, cuidar da minha família. Eu pensei: ‘Como vou ser exemplo se estou sempre fumando?’. A partir deste dia decidi que não ia mais fumar. Pedi ajuda ao meu Anjo da Guarda e a Jesus".

Neste momento, o apoio familiar é fundamental para quem quer parar de fumar. "Quando eu tomei essa decisão eu falei com meus filhos, com meu marido. Minha filha Elisa me disse que desde que aprendeu a escrever, todo sábado colocava o pedido na Pia Sagrada para que eu parasse de fumar. Agora que eu vou ter mais força, mais perseverança para seguir na minha decisão". E finalizou: "já caminho, já ando de bicicleta, já respiro melhor. Agradeço a força de Jesus, pois Ele me ajudou a ter perseverança, a não ser imprudente".

“Quando a gente quer realizar alguma coisa, realiza. Não acreditem nesse negócio de que é difícil. As coisas só são difíceis para as pessoas difíceis. As pessoas simples, essas realizam coisas extraordinárias.” (Paiva Netto)