Síndrome de burnout: 7 dicas preciosas para prevenir o esgotamento

Este distúrbio é comum em médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, dentre outras profissões que atuam diariamente sob pressão e em condições desgastantes de trabalho.

Nathan Rodrigues

28/05/2019 às 11h28 - terça-feira | Atualizado em 29/05/2019 às 15h28

A Síndrome de burnout — ou Síndrome do Esgotamento Profissional — caracteriza-se pelo estado extremo de exaustão física, emocional e mental, resultado de situações profissionais muito exigentes ou estressantes.

Shutterstock

Este distúrbio é comum em médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, dentre outras profissões que atuam diariamente sob pressão e em condições desgastantes de trabalho.

Em inglês, 'burn' quer dizer queima e 'out' exterior.

Descrito em 1974 pelo médico norte-americano Herbert Freudenberger, a Síndrome de burnout também afeta profissionais que planejam ou são destinados para objetivos difíceis de trabalho, e que acreditam não ter capacidades para cumpri-los.

Como prevenir a Síndrome de burnout

1. Pare um minuto para orar (ou meditar)

Shutterstock

Esta é uma receita muito eficaz para momentos de intensa pressão ou grande desafio — seja no campo profissional ou pessoal. Acredite, orar funciona!

Eleve seu pensamento ao Cristo Ecumênico e vibre positivamente em favor de seus desafios. Nesses momentos, quando as situações parecem não ter saída, é sempre bom recorrer à oração para ganhar forças.

Deixamos aqui, como sugestão, a Prece do Pai-Nosso. Ela é uma súplica universal e pode ser feita até por um Irmão ateu (por que não?!).

Se preferir, pode recorrer à meditação, que tem o mesmo objetivo.  O jornalista e escritor Paiva Netto, em seu artigo "ORAR = MEDITAR" adverte:

"Orar e meditar têm exata correspondência. Ser humilde, perante a Verdade, é conduta imprescindível. Assim pensava o notável professor e missionário metodista Eli Stanley Jones (1884-1973), que permaneceu largo período de sua vida na Índia e visitou várias vezes o Brasil: “A humildade é a essência da Criação Divina. A primeira providência para o encontro com Deus é liquidar com o orgulho. (...) Quando a pretensão termina, o poder tem início”.

Continue lendo este artigo.

2. Defina pequenos objetivos para sua carreira

Shutterstock

Se sua agenda profissional está 'sufocando' você, talvez seja o momento ideal para reavaliá-la. Analise seriamente suas condições de trabalho e, caso elas estejam interferindo em sua qualidade de vida, não hesite em 'pisar no freio'.

A ideia é propor uma nova visão para seus objetivos profissionais, procurando maneiras de aliviar as atividades diárias. Que tal pensar em metas menores e mais fáceis de serem atingidas?

Dessa maneira, será possível cuidar de sua saúde física, mental e espiritual. ;)

3. Evite pessoas 'negativas'

www.onlinereality.co.uk

Isso é muito importante. Se tudo é vibração, mantenha distância de pessoas que inspirem negatividade, especialmente aquelas que reclamam do trabalho ou dos outros.

Vamos combinar que nos abastecermos dessa energia negativa, principalmente em momentos de esgotamento profissional, não ajuda em nada, né?

Como ensina a Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, se nossos pensamentos, palavras e ações são fundamentados nos maus sentimentos, aproximam-se de nós influências espirituais negativas.

Sugerimos a leitura desta artigo da Religião Divina sobre a Lei da Atração.

Portanto, vamos pautar nossos pensamentos, palavras e ações no Bem, para atrairmos influências espirituais positivas.

4. Faça exercícios físicos

shutterstock

A mudança de seu estilo de vida é fundamental para prevenir, e até mesmo tratar, a Síndrome de burnout. Portanto, pratique exercícios físicos regulares — e não use a falta de tempo como desculpa, hein?

Fuja do sedentarismo. Você pode ir à academia, fazer caminhada, corrida, remo, natação, andar de bicicleta ou qualquer outra atividade que seja de seu gosto.

Aliás, há outras maneiras simples (e criativas) de fugir do sedentarismo. ;)

Outra maneira de evitar o cansaço emocional e mental é ir ao parque, cinema, teatro ou ler um bom livro.

Aliás, sugerimos este interessante texto sobre os benefícios da leitura.

5. NÃO USE drogas ou bebidas alcoólicas

shutterstock

Dentro de nossa Campanha Permanente de Valorização da Vida, reforçamos mais uma vez que o álcool e outras drogas não trazem benefício algum a quem os consome.

Além dos danos materiais, o álcool traz sérias consequências espirituais, da mesma forma que os prejuízos causados pelas drogas ao espírito são profundos.

Saiba que o consumo de álcool e outras drogas não aliviam em nada a Síndrome de burnout ou qualquer outro problema.

Estas substâncias só agravam as crises de ansiedade e depressão, causadas pelo distúrbio, por exemplo.

6. Não use remédios SEM prescrição médica

Shutterstock

O uso de medicamentos, bem como o auxílio de profissionais médicos, é recomendado em situações de esgotamento profissional. No entanto, deve-se EVITAR o automedicamento.

Tomar remédio por conta própria ou indicação de terceiros, sem avaliação de um médico, pode causar sérios problemas à saúde, provocando alergias, aumentando a pressão arterial, entre outras complicações.

É importante lembrar que todo medicamento é uma droga e tem efeitos colaterais.

7. Converse com amigos e familiares

shutterstock

Muitas pessoas não percebem que estão sofrendo com a rotina pesada do trabalho. Por isso, é importante que a família e os amigos estejam por perto de quem tem a Síndrome de burnout.

Sugerimos que você procure justamente essas pessoas e converse sobre como você está se sentindo.

Ouça com carinho a opinião de seus entes queridos e amigos, procurando extrair o melhor dessas conversas. o/

trabalhoseguro.com

Sintomas do esgotamento profissional

A Síndrome de burnout, além de causar o esgotamento físico e emocional, também se reflete em atitudes negativas e pode ser identificado por outros sintomas, como:

- Dor de cabeça frequente;
- Alterações no apetite;
- Insônia;
- Dificuldades de concentração;
- Sentimentos de fracasso:
- Insegurança;
- Negatividade constante;
- Alterações repentinas de humor;
- Isolamento;
- Fadiga;
- Pressão alta;
- Dores musculares;
- Problemas gastrointestinais;
- Alteração nos batimentos cardíacos.

Por tudo isso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o esgotamento profissional como uma "síndrome resultante de estresse crônico de trabalho."

O distúrbio foi incluído no capítulo "problemas associados" da nova Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11), aprovada na 72ª Assembleia da OMS.

A lista entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022.

Tratamento do burnout

Shutterstock

O tratamento da Síndrome de burnout inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia.

Esse acompanhamento médico costuma surtir efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, de acordo com cada caso.

Além de mudanças nas condições de trabalho e no estilo de vida, como destacamos anteriormente, é fortemente recomendado que a pessoa tire férias após o diagnóstico.

Qual a diferença entre burnout, estresse e depressão?

Ainda que tenham sintomas parecidos, essas três condições recebem classificações diferentes da OMS.

A Síndrome de burnout é um distúrbio resultante de estresse crônico, ligado ao ambiente de trabalho.

A depressão, de acordo com a entidade mundial, é uma doença psiquiátrica crônica, que atinge pessoas de todas as idades.

Já o estresse é entendido como uma resposta do corpo às circunstâncias do dia, que exigem ajustes comportamentais.


* Com informações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial da Saúde e do Portal G1, da Globo.com.