FEBRE AMARELA: tire suas dúvidas sobre a doença

Nathan Rodrigues

10/01/2018 às 10h43 - quarta-feira | Atualizado em 10/01/2018 às 17h29

Shutterstock

A febre amarela é uma doença infecciosa, causada por um vírus e transmitida por vetores. Em áreas rurais, a doença é passada pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, que vivem nas matas e na beira dos rios. Nos meios urbanos, o vetor é o Aedes aegypti ~ o mesmo da dengue, do vírus Zika e da chikungunya.

Na fase inicial, que dura de três a cinco dias, o paciente tem febre alta, calafrios, cansaço, dores de cabeça e muscular, náuseas e vômitos. Num estágio mais grave, pode ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia ~ olhos e pele amarelados, daí o nome da doença ~ e manifestações hemorrágicas.

Shutterstock
Os sintomas são diversos e variam de acordo com o estágio da doença.

Os sintomas só aparecem depois de um ou dois dias. O vírus fica no corpo humano por, no máximo, sete dias. O paciente recupera-se bem e adquire imunização permanente contra a doença, mas é sempre bom ficar esperto. Como o velho ditado popular ensina: melhor prevenir do que remediar. #FicaaDica

Sabe por quê? A febre amarela voltou a preocupar a área médica por conta do surto da doença em algumas regiões do Brasil. Na Grande São Paulo, por exemplo, já foram registradas seis mortes, sendo quatro casos na cidade de São Paulo. Porém, as vítimas teriam contraído o vírus ao viajarem para cidades com alerta de febre amarela ou para regiões de mata. Em todas as regiões da cidade a prefeitura está fazendo uma campanha para vacinar os moradores. 

COMO SE PROTEGER?

Shutterstock
A vacina é a maneira mais eficaz de se proteger da febre amarela.

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacinação é a maneira mais eficaz de se proteger da febre amarela. Ela está disponível gratuitamente, durante todo o ano, no Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a Agência Brasil, o governo de São Paulo anunciou que fará o Dia D de Vacinação contra a Febre Amarela no dia 3 de fevereiro. A campanha inédita no estado vai se estender até o dia 24 com a aplicação de doses fracionadas da vacina em 53 municípios prioritários. A expectativa é vacinar 6,3 milhões de pessoas nessas áreas, que foram definidas por integrarem corredores ecológicos. Segundo a secretaria, esses municípios ainda não foram alcançados pelo vírus, mas o objetivo é proteger preventivamente a população. O órgão destaca que não há ocorrência da febre amarela urbana desde 1942.

A pasta recomenda essa vacina para pessoas a partir de nove meses de idade que vivem nas áreas endêmicas ~ ou seja, regiões de risco ~ ou viajarão para lá e a partir dos seis meses, em situações de surto.

Outra ação preventiva depende exclusivamente de nossos próprios esforços. Já que a doença é transmitida pela picada de mosquito, o pedido é para que se evite a proliferação destes vetores. As orientações já são conhecidas, mas vale a pena recordá-las, tá? Como as fêmeas depositam seus ovos na água, é importante evitar com que o líquido fique acumulado em qualquer recipiente destampado, como caixas d'água, latas e pneus.

E quanto aos mosquitos adultos? Fique tranquilo, também é possível combatê-los! A aplicação de inseticida por meio do fumacê ~ aquele aparelho que lança o produto responsável por matar o vetor, sabe? ~ vem bem a calhar. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

Com saúde não se brinca!

Ninguém quer engrossar estatísticas de qualquer doença, ainda mais uma que, se mal tratada, pode levar à morte, né? Portanto, todo o cuidado é pouco. Se cada um fizer a sua parte, impedindo que os mosquitos transmissores se proliferem, o riscos de se contrair febre amarela caem drasticamente.

E se, infelizmente, você foi acometido por essa enfermidade, pedimos que não se desespere. Indentificou os sintomas da febre amarela? Procure o médico imediatamente. Como já ressaltamos, é muito comum que os pacientes se recuperem bem e sejam imunizados permanentemente contra a doença.