Fé e Ciência juntas pela Paz: Fórum da LBV conclui mais uma edição

Clara Botelho

20/10/2022 às 17h14 - quinta-feira | Atualizado em 20/10/2022 às 23h09

Nesta quinta-feira, 20/10, aconteceu, em formato on-line, a conclusão de mais uma edição do Fórum Mundial Espírito e Ciência, da LBV, que levou ao público debates sobre o tema “Ciência e Fé por uma Cultura de Paz”, sendo transmitido em inglês, espanhol e LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).

LEIA TAMBÉM:
+ Saiba como foi o primeiro dia do evento

Emmanuel Zarur
Letycia Elizabeth (à esquerda) e Angélica Beck, apresentadoras do segundo dia do evento.

O evento teve como sede de sua transmissão o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o Parlamundi da LBV, que tem a missão, nas palavras de seu idealizador e fundador, Paiva Netto, manter “suas portas abertas a todos os Seres de Boa Vontade. Ele propõe a conciliação universal de todo o conhecimento espiritual e humano, numa poderosa força a serviço dos povos. Cizânia, radicalismos, hostilidades de todos os matizes devem permanecer afastados dos debates e das proposições religiosas, filosóficas, políticas, científicas, econômicas, artísticas, esportivas e o que mais o seja, pois o ser humano nasce na Terra para viver em sociedade, Sociedade Solidária Altruística Ecumênica”.

Para cumprir esse honroso compromisso, o Fórum anualmente reúne cientistas, pesquisadores, religiosos, acadêmicos e demais interessados ao assunto para o importante intercâmbio entre religião e ciência. Confira a seguir os destaques do último dia do evento!

Espiritualidade, Ciência e Saúde — Um panorama

Reprodução YouTube
Dr. Harold Koenig

Para abrir o segundo ciclo de palestras do evento, o público acompanhou o Dr. Harold Koenig, premiado psiquiatra, professor de psiquiatria e professor associado de medicina no Centro Médico da Universidade de Duke, na Carolina do Norte/EUA. Ele é um dos mais renomados pesquisadores na relação entre espiritualidade e saúde e debateu o tema "Espiritualidade, Ciência e Saúde — Um panorama".

Em sua fala, o estudioso analisou pesquisas sobre religião e saúde mental e apresentou um modelo teórico que ajuda a explicar como o envolvimento religioso influencia a saúde mental. Em seguida, analisou pesquisas sobre a relação entre o envolvimento religioso e a saúde física e apresentou os efeitos da religião na saúde.

Em uma das pesquisas analisadas, Koenig destacou: “Agora vamos falar sobre um estudo mais recente da Escola de Saúde Pública da Harvard feito com 10.000 jovens com idade média de 23 anos, que observou o risco de desenvolvimento de transtornos depressivos por um período de até seis anos, durante o qual eles foram acompanhados. Podemos ver aqui que o risco de desenvolvimento de depressão e transtornos depressivos entre os jovens que frequentavam celebrações religiosas pelo menos uma vez por semana era um pouco mais de 30% menor nesse grupo em comparação aos jovens que nunca participavam de cerimônias religiosas”.

Mais adiante, o professor também compartilha outro dado importantíssimo ao público: “(...) conclusões semelhantes têm sido relatadas sobre o uso, abuso e dependência de álcool, sendo que entre 80% e 90% dos estudos descobriram que pessoas religiosas são menos propensas a usar, abusar ou se tornar dependentes de álcool. E entre os estudos mais elaborados, com amostras maiores, 90% relataram tal conclusão. O mesmo se aplica ao uso e abuso de drogas ilícitas: entre 80% e 90% dos estudos mostraram que pessoas religiosas têm menor probabilidade de usar, abusar ou se tornar dependentes dessas drogas.”

Após a explanação, o renomado pesquisador respondeu às questões trazidas pelos participantes. Na oportunidade, enalteceu o evento e destacou a profundidade dos assuntos tratados.

Ciência e Fé na perspectiva das tradições de matriz africana

Reprodução YouTube
Ìyá KéKeré do Gantois, Mãe Ângela Maria Ferreira

Para dar continuidade às palestras da noite, o Fórum recebeu Ìyá KéKeré do Gantois, Mãe Ângela Maria Ferreira, representante do Terreiro de Gantois, ou Ilê Iaomim Axé Iamassê, localizado em Salvador/BA, que compartilhou seu conhecimento acerca do tema: "Ciência e Fé na perspectiva das tradições de matriz africana”.

A estudiosa destacou o importante papel da Fé e da Ciência na sociedade e explicou como essa relação se dá nas tradições africanas. “A fé transpõe rótulo, porque se entende que a busca pessoal de vida e de uma transcendência é o elo com o plano divino, o autoconhecimento envolvendo as relações com a família, com a sociedade e com o ambiente, sendo este último também visto como a natureza em si", ressaltou Mãe Ângela.

E prosseguiu: “As religiões e as condutas de religiosidade de matriz africana aliadas com o sentido de Espiritualidade do fiel e adepto às tradições ancestrais de origem negra e que remontam milênios em termos de práticas rituais enxergam e atuam no campo da Ciência como da Fé, conseguindo firmar pontes de cura. No Candomblé, especificamente, o conhecimento sobre os mistérios da Natureza e os elementos vibracionais de cura ratificam a comunhão entre Ciência e Fé”.

Ainda sobre o tema, a palestrante concluiu: “Ancorado numa posição ativa de comunhão e complementariedade, as lideranças religiosas de matriz africana usam seus conhecimentos para proteção social, são ativistas da vida para a vida com a vida. A interface entre trading científico e tradição ancestral já acontece dentro das comunidades (terreiro), onde o racional ilógico é crer na existência e seus mistérios, no despertar da homeostase, e não aplacar verdades absolutas diante de seus pares, pois o que se pretende é a expansão da mente e o equilíbrio em todos os níveis, a fim de garantir o direito à vida com saúde e satisfação. Adupé! Muito axé para todos”.

A investigação científica e filosófica dos fenômenos espirituais

Reprodução YouTube
Prof. dr. Humberto Schubert Coelho

A palestra de conclusão do evento ficou por conta do Prof. dr. Humberto Schubert Coelho, que debateu com o público seus estudos a respeito do tema “A investigação científica e filosófica dos fenômenos espirituais”. Ele é professor adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Juiz de Fora/MG e coordenador da área de História e Filosofia do Núcleo de Pesquisa em Espiritualidade e Saúde (NUPES). 

O estudioso durante toda a sua fala ressaltou a importância de um estudo científico acadêmico das experiências espirituais, bem como questionou o fato de a antropologia moderna continuar com uma abordagem puramente culturalista, mesmo com os inúmeros estudos e dados concretos a respeito da vida espiritual.

 “Além das experiências se darem de maneira muito consistente, muito invariável, nas mais diversas culturas, o que é mais fascinante a respeito da consistência das experiências espirituais é que os tipos de experiência também são invariáveis. Quais são esses tipos de experiência espiritual? Qualquer pessoa que conheça até um pouco de religião, no sentido formal apenas, tem uma vaga noção de que a oração, por exemplo, ou a meditação para religiões e matrizes que trabalham com meditação, produz experiências espirituais, produz um estado alterado de consciência, um tipo de experiência", esclareceu.

Nesse sentido, o professor doutor destacou que “pessoas que fazem orações com alguma frequência ou pessoas que meditam com alguma frequência, elas relatam, invariavelmente, que esse gesto simples e, às vezes, muito rápido até, muito acessível ao praticante de uma religião,[...] ele consegue sentir, perceber que há uma mudança de padrão de consciência, uma mudança de padrão mental, emocional, e esses efeitos costumam ser acompanhados de efeitos fisiológicos também: alteração de ritmo cardíaco, respiratório. Pode haver consequências outras de mais longo prazo para as práticas”.

E prosseguiu explicando que “todas as culturas também reconhecem a relação íntima entre vivências espirituais, experiências espirituais e cura, particularmente a cura para transtornos mentais, problemas mentais, porque a experiência espiritual reconhecidamente é produtora de bem-estar. Isso não é uma expressão de opinião ideológica, filosófica, mas vastamente comprovado, ─ desde as pesquisas de Alister Hardy até, recentemente, o trabalho epidemiológico, por exemplo, do Tyler VanderWeele, na Universidade de Harvard”.

Acompanhe na íntegra o segundo dia do Fórum

 

 

Saiba mais, acessando: forumespiritoeciencia.org ou no canal exclusivo no YouTube.

 

O EVENTO

Vivian R. Ferreira

Fórum Mundial Espírito e Ciência, da LBV, foi criado no ano 2000 e desde então marca vanguarda ao propor “Ciência e Fé na trilha do equilíbrio”. Ao longo de mais de 20 anos, tem se destacado como um dos maiores eventos do gênero no mundo, pioneiro em reunir respeitados nomes da Ciência, da Religião e demais áreas do conhecimento no propósito de “estabelecer um espaço para o colóquio solidário e profícuo. E assim fomentar o diálogo sobre assuntos fundamentais para o entendimento de nossa existência aqui, neste pequenino planeta, como também do nosso estágio na hierarquia do Cosmos, utilizando, para esse fim, a conciliação do conhecimento humano com o espiritual nos diversos campos do saber”, conforme apresenta seu criador, o jornalista Paiva Netto.

33 anos do Templo da Boa Vontade

Thiago Bianchi

Fazendo um contraste lindo com o Cristal Sagrado, o Sol brilha no topo da Pirâmide da Paz, aquecendo o coração dos peregrinos que fazem suas orações na Nave do TBV.

O evento faz parte das celebrações dos 33 anos do Templo da Boa Vontade, em 21 de outubro, que, este ano, tem sua programação on-line nas diversas mídias da Comunicação 100% Jesus! Você pode acompanhar por meio da Boa Vontade TVSuper Rede Boa Vontade de Rádio ou baixar o aplicativo legionário Boa Vontade Play!